quinta-feira, 25 de julho de 2024

Direito à saúde da mulher – por André Elbachá

Foto: Divulgação

André Elbachá

O Dia Internacional das Mulheres é uma ocasião importante para refletir sobre as conquistas e desafios enfrentados pelas mulheres em diferentes aspectos da vida, incluindo o direito à saúde. É fundamental reconhecer que saúde vai além da ausência de doenças e engloba o bem-estar físico, mental e social.

No contexto da saúde feminina, é crucial garantir que todas as mulheres tenham acesso aos cuidados médicos necessários, independentemente de seu estado civil, situação familiar ou outras circunstâncias. Isso inclui não apenas o mero acesso aos serviços de saúde públicos ou privados, mas também a prevenção, detecção precoce e tratamento de problemas de saúde específicos que afetam as mulheres, bem como o apoio psiquiátrico e psicológico em situações como violência doméstica e estupro.

As conquistas sociais no campo da saúde feminina, como direito a acompanhante em qualquer consulta, exame ou procedimento médico, ou ainda a oferta de exames preventivos e cirurgias reparadoras, também são passos importantes na direção da igualdade de gênero no acesso aos cuidados de saúde. Além das políticas governamentais e dos avanços na área da saúde, é fundamental destacar o papel da conscientização da sociedade civil na promoção de ambientes saudáveis para as mulheres. Isso envolve não apenas garantir o acesso aos serviços de saúde, mas também criar uma cultura que valorize e respeite a saúde e o bem-estar das mulheres.

A conscientização sobre questões como igualdade de gênero, saúde mental, violência doméstica e direitos reprodutivos é essencial para criar comunidades mais solidárias e inclusivas, onde as mulheres se sintam seguras e apoiadas em busca de cuidados de saúde adequados.

Ainda há desafios significativos a serem enfrentados, como a falta de divulgação ampla sobre os direitos das mulheres em relação à saúde, o que pode dificultar o acesso aos serviços de saúde e prejudicar a qualidade de vida. Ao educar e envolver a sociedade civil nessas questões, podemos contribuir para a construção de um ambiente onde as mulheres possam verdadeiramente desfrutar de uma vida saudável e digna.

André Elbachá é advogado especialista em Direito à Saúde e sócio da Advocacia Mendonça e Elbachá.

08 de março de 2024, 18:22

Compartilhe: