sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Governo federal tem menor valor para investimentos em 15 anos

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Da Redação

Com pouco dinheiro em caixa, o governo federal terá em 2021 o menor valor para investimentos dos últimos 15 anos. Isso ocorre com o aumento das despesas com benefícios previdenciários e assistenciais, na esteira do reajuste do salário mínimo.

Segundo o Estadão, o valor projetado em agosto do ano passado, de R$ 28,6 bilhões para obras e outras ações, pode cair ainda mais para abrir espaço no Orçamento para os chamados gastos obrigatórios.

Os especialistas lembram que as despesas vão crescer principalmente porque o salário mínimo foi reajustado a R$ 1.100 no início de 2021, acima dos R$ 1.067 previstos em agosto do ano passado e que serviram de referência para a elaboração do Orçamento, que ainda será votado pelo Congresso Nacional. A definição só deve ocorrer após a votação para o comando da Câmara e do Senado.

Esses R$ 33 a mais no salário mínimo significam, na prática, uma despesa de R$ 11,6 bilhões maior que a prevista na proposta orçamentária enviada em agosto (cada R$ 1 eleva o gasto em R$ 351,1 milhões).

O governo também sofreu reveses que o obrigarão a ampliar outras despesas, a exemplo da continuidade da desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia. Ainda de acordo com o Estadão, técnicos do Congresso estimam que há um “buraco” de R$ 15 bilhões a R$ 20 bilhões a ser coberto.

Apesar do cenário, o Ministério da Economia diz que os investimentos “não serão afetados”, uma vez que não houve alteração da proposta orçamentária. “Os ministérios setoriais podem, em um exemplo hipotético, privilegiar os investimentos em detrimento das despesas correntes, em virtude de possíveis economias geradas pelo teletrabalho. De toda sorte, não se tem como afirmar que os investimentos serão afetados”, afirmou a pasta.

13 de janeiro de 2021, 11:03

Compartilhe: