terça-feira, 21 de setembro de 2021

Rapidinhas: A gratidão de Otto a Wagner e a corda esticada de Leão

Foto: Divulgação

Davi Lemos

A gratidão de Otto

Um destacado integrante do PCdoB da Bahia aposta na união do grupo que hoje gravita em torno do governador Rui Costa (PT) para as eleições de 2022. “Acredito que haverá uma só chapa”, diz a fonte comunista. Uma das justificativas, por exemplo, é a relação de confiança entre os senadores Jaques Wagner (PT) e Otto Alencar (PSD) – o último teria uma dívida de gratidão pelo fato de o primeiro tê-lo tirado do ostracismo político do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

Leão estica a corda

Enquanto isso, o vice-governador João Leão (PP) segue esticando a corda com Rui Costa, Jaques Wagner e Otto Alencar. O pepista voltou a dizer nesta segunda-feira (16) que é candidato ao Palácio de Ondina, e admitiu que a atual espinha dorsal da base governista pode estar separada nas eleições de 2022. “Temos uma relação muito boa e eles (Rui Costa, Jaques Wagner e Otto Alencar) são meus amigos. Vamos caminhar juntos, mas talvez separados”, profetizou.

De olho na Assembleia

Há quem insista na tese de que João Leão, ao se declarar candidato a qualquer custo, está jogando para a plateia visando ter mais poder de barganha quando o processo pré-eleitoral começar a afunilar, já que voto de fato ele não tem para vencer a disputa. No último final de semana, uma matéria publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo lançou novamente a especulação de que Leão estaria interessado mesmo em indicar a vice na chapada de Jaques Wagner e o futuro presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, hoje sob a batuta do PSD de Otto.

Pé atrás

Na base do governador Rui Costa, há quem desconfie que João Leão ainda pode se debandar para o lado de ACM Neto (DEM) se não conseguir o que deseja. Parlamentares conjecturam que o deputado federal Cacá Leão (PP), filho do vice-governador, está ficando perigosamente muito próximo do ex-prefeito de Salvador. Só que, caso ocorra uma mudança de lado do PP, o deputado só teria, teoricamente, espaço na chapa de ACM Neto como candidato a senador, já que, por força da legislação eleitoral, não poderia ser vice-governador. Uma candidatura de Cacá como vice configuraria um terceiro mandato de João Leão e isso, segundo as regras da disputa, não pode.

Duas chapas

O líder do PP na Assembleia Legislativa, Eduardo Salles, admitiu que, em 2022, podem sair duas candidaturas da base de Rui Costa: a de Jaques Wagner e a de João Leão. O pepista entende que, se do lado do ex-prefeito prefeito ACM Neto haverá duas candidaturas, pode ocorrer o mesmo na base governista. Detalhe: Salles ainda enxerga que Neto e o ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos), integram o mesmo grupo político.

João Henrique Barrichelo

O ex-prefeito de Salvador João Henrique Carneiro decidiu gravar um vídeo nas redes sociais explicando porque a vacinação contra a Covid-19 é importante. Logo surgiram comentários ironizando a “rapidez” do político em abordar o tema, já quando a pandemia aparenta chegar ao fim e mais de 110 milhões de brasileiros tomaram a primeira dose da vacina. As comparações maldosas com o ex-piloto de Fórmula 1 Rubinho Barrichelo foram inevitáveis.

Chá de sumiço

Os deputados federais Paulo Azi (DEM), Elmar Nascimento (DEM) e Leur Lomanto Júnior (DEM) tomaram um verdadeiro “chá de sumiço” na semana passada, quando a Câmara derrubou a proposta do voto impresso. Os três ficaram praticamente incomunicáveis, principalmente para jornalistas. Enquanto Leur votou a favor do voto impresso, os outros dois se ausentaram e não participaram da sessão. Vale lembrar que o DEM orientou contra a proposta.

Prisão

O senador Otto Alencar (PSD) foi ao Twitter no sábado (14) e deu a entender que o destino do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) será parecido ao do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, e do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ): a prisão. “O pedido de impeachment de Bolsonaro contra os ministros (do STF) Luiz Roberto Barroso e Alexandre de Moraes tem cunho político. O presidente acha que rende votos, imita Daniel Silveira e Roberto Jefferson. É plágio”, escreveu Otto. As duas figuras políticas citadas pelo senador baiano foram presas após atacarem ministros do Supremo, dentro do controverso inquérito das fake news.

16 de agosto de 2021, 14:28

Compartilhe: