terça-feira, 28 de junho de 2022

Rapidinhas: A multiplicação de prefeitos, a espera pelas escolas e a portabilidade em Conquista

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Davi Lemos

Os 500 prefeitos da Bahia

As candidaturas ao governo de Jerônimo Rodrigues (PT) e de ACM Neto (União Brasil) têm estimado apoio de tantos prefeitos baianos que pode-se concluir que muitos cidadãos devem estar morando em cidades que sequer constam no mapa. Os petistas estimam ter o apoio de 300 prefeitos; os netistas dizem ter apoio de outros 200 e isso já ultrapassa os 417 apoios possíveis que prefeitos poderiam dar no estado. Isso sem contar os que devem apoiar o candidato bolsonarista João Roma (PL).

Uma explicação

O jogo duplo de muitos prefeitos pode explicar essa inflacionada no número de apoios que cada pré-candidato tem divulgado por esses dias. Muitos gestores estão interessados em convênios com a Bahiatursa para organizar os festejos juninos e outros querem ver a liberação de recursos fruto de convênios assinados pelo governador Rui Costa (PT) nas viagens que têm feito pelo interior ou em anúncios feitos durante entregas de equipamentos na capital baiana.

Escolas da salvação

Além de contar com o “fator Lula”, a campanha de Jerônimo Rodrigues conta com o início das inaugurações da maioria das escolas estaduais cuja construção tem sido anunciada já nos meses de junho, julho e agosto e, assim, colher frutos que possibilitem que o petista supere primeiro nas pesquisas e depois nas urnas o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto. O pré-candidato do União Brasil vem liderando em todos os cenários, até mesmo quando Jerônimo vem associado a Lula, e o ex-secretário da Educação tem contra si – e isso já é explorado nas campanhas adversárias – os baixos índices educacionais do ensino do estado.

Sabatina

O desempenho de Jerônimo Rodrigues na sabatina do UOL/Folha de São Paulo realizada na semana passada ligou o sinal de alerta na campanha do petista. Não foi um bom sinal, diz uma fonte governista, iniciar dizendo que a maioria dos problemas em segurança pública e educação ainda é “herança maldita” de gestões anteriores – o PT já governa o estado desde janeiro de 2007. A avaliação é que o petista pode se complicar nos debates mais acirrados, quando for questionado por João Roma, ACM Neto e até mesmo Kléber Rosa – o psolista, apesar de apoiar Lula nacionalmente, disse, na série de sabatinas, que o PT baiano deixou de lado as tradicionais pautas de esquerda.

Mensalidades

O petista ainda se viu em uma saia justa quando, durante a mesma sabatina ao UOL/Folha de São Paulo, foi questionado sobre a posição de Rui Costa que, em 2019, disse que a cobrança de mensalidade em universidades públicas não deveria ser tabu – dois dias antes, Jerônimo atacou Neto ao apontar que é de autoria do deputado federal General Paternelli (União Brasil) a proposta de PEC que permite a cobrança. Segundo a mesma fonte governista, foi um erro primário. “Deveriam ter pesquisado a posição de Rui antes de se pronunciar”, disse.

Lúcia Rocha e seus aliados (Foto: Reprodução)

Portabilidade

Chamou a atenção de políticos conquistenses a declaração de apoio da vereadora de Vitória da Conquista, Lúcia Rocha (MDB), ao pré-candidato a deputado federal Fábio Vilas-Boas, no final de semana. Para fazer a dobradinha com o ex-secretário estadual da Saúde, Lúcia rompeu uma aliança que tinha com ACM Neto. Agora pré-candidata do “time da correria”, como é conhecido o grupo de Rui Costa, a vereadora já imprimiu material de campanha com fotos dos novos aliados. A vereadora, brincaram políticos conquistenses, agora é do time do “Líder”, apelido dado aos aliados de Geraldo Júnior, presidente da Câmara Municipal de Salvador e pré-candidato a vice-governador na chapa com Jerônimo e Otto Alencar.

Todos em Luís Eduardo Magalhães

O governador Rui Costa (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) devem ir à Bahia Farm Show, nesta terça-feira (30), em Luís Eduardo Magalhães, no oeste baiano. Após a feira agropecuária em Itapetinga, na semana passada – quando estiveram presentes os três principais nomes da disputa pelo Palácio de Ondina – agora se espera a mesma peregrinação dos governadoráveis para apresentar suas propostas aos produtores que vivem na divisa com Goiás. Uma das principais queixas dos produtores do oeste é a falta de infraestrutura para escoar a produção e atrair novos empreendimentos para a região oeste da Bahia.

30 de maio de 2022, 16:58

Compartilhe: