quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Rapidinhas: A raiva de Otto e o pavor de Rui

Foto: Arquivo/Divulgação

Davi Lemos

“Menino e moleque”

Mesmo com Covid-19, o senador Otto Alencar (PSD) teve forças para, entre os aliados mais próximos, esculhambar o deputado federal Cacá Leão (PP), que tem ido a público defender que o governador Rui Costa (PP) deixe o governo da Bahia antes de terminar o mandato para concorrer a senador em 2022. “Menino e moleque”, teria dito Otto, segundo um membro do PSD. Como o pai não pode ser vice em 2022, e nem ele próprio, Cacá quer que o PP seja contemplado com João Leão ficando no cargo de governador por oito meses.

Pavor da ideia

Segundo dois deputados da base do governo na Assembleia, o governador Rui Costa (PT) tem pavor à ideia de deixar o vice João Leão (PP) no comando do Palácio de Ondina a partir de abril de 2022, quando o petista teria que se afastar do cargo se decidir concorrer a senador. “Rui teme que a gestão de Leão acabe com a fama que o ‘correria’ tem de excelente gestor”, afirmou um dos parlamentares à coluna.

Trolagem diplomática

Um dia antes de se encontrar, na quarta-feira (14), com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), o ex-deputado federal Jutahy Magalhães Júnior (PSDB) recebeu a visita do prefeito de Jundiaí, Luís Fernando (PSDB). A missão do prefeito foi conseguir o apoio do tucano baiano ao nome do governador paulista João Dória (PSDB) nas prévias do partido, que ocorrerão em novembro. Educadamente, Jutahy disse que já havia decidido pelo apoio a Leite.

Imperfeição

Durante a coletiva de imprensa que antecedeu o evento que marcou a visita do governador tucano Eduardo Leite (RS) a Salvador, no sábado, o nome do ex-prefeito de Salvador e atual chefe da representação do governo de São Paulo em Brasília, Antônio Imbassahy, foi lembrado como o único do PSDB baiano que deve apoiar João Dória nas prévias. “Ninguém é perfeito”, brincou um tucano de alta patente na Bahia, que vê como “quase certa” a vitória de Eduardo Leite nas prévias da sigla.

Nas mãos de Colbert

Uma candidatura de Sérgio Carneiro à Câmara dos Deputados em 2022 dependerá de um único personagem: o prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins (MDB). Segundo o ex-deputado federal, que já figurou entre os “cabeças do Congresso”, “ser candidato de Facebook não tenho interesse”. “Mas se precisar de mim, já estou à disposição”, disse Carneiro, só quer concorrer com alguma garantia de vitória.

Novo e PDT contra o capitão

Pedetistas e membros do Novo em Salvador, segundo a coordenação estadual do MBL, vão juntos ao Farol da Barra, na manhã de 12 de setembro, para pedir o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Mas o milagre da união entre pedetistas e novistas reside em uma condição: são contra o capitão, mas que ninguém ouse defender Lula (PT). Mas para o evento ser confirmado, vão colocar faixas nas ruas para que os favoráveis ao impeachment do presidente buzinem. Se houver um “buzinaço”, o milagre ocorre.

Nada de sommelier

O vereador soteropolitano Luiz Carlos Suíca (PT) quer que o indivíduo “sommelier de vacina” vá para o final da fila da imunização contra a Covid-19. Segundo o petista, mais de 70% dos municípios registram casos de pessoas que querem escolher a vacina a tomar. A Secretaria Municipal de Saúde criaria um “termo de recusa” que deverá ser assinado por quem negar o imunizante ofertado no posto de saúde. No projeto apresentado há uma semana, Suíca ressaltou que nenhuma vacina apresenta 100% de eficácia.

19 de julho de 2021, 09:22

Compartilhe: