terça-feira, 7 de dezembro de 2021

Rapidinhas: O deputado “highlander” estará com Rui e CPI dos Respiradores perde oxigênio na Assembleia

Foto: Divulgação/Alba

Davi Lemos

Novo aliado do governador

Reinaldo Braga (PL) assume na manhã desta quarta-feira (17) o décimo mandato na Assembleia Legislativa, na vaga deixada pelo falecido deputado João Isidório (Avante). À coluna, ele disse que vai fazer parte da base do governador Rui Costa (PT), a exemplo do outro parlamentar do PL na Casa, Vitor Bonfim. O detalhe é que o filho homônimo do deputado “highlander”, o prefeito de Xique-Xique, é aliado de primeira hora do ex-prefeito de Salvador ACM Neto (DEM).

Doce da boca

Na oposição, a postura de Reinaldo Braga (PL) não surpreendeu. “E ele é louco de dizer que vai ser oposição para o governador Rui Costa (PT) tirar-lhe o doce da boca?”, comentou um parlamentar da bancada da minoria. Explica-se: caso deseje, o governador pode impedir a posse de Braga exonerando da Secretaria de Desenvolvimento Econômico o deputado estadual licenciado Nelson Leal (PP). Caso essa manobra ocorresse, Leal retornaria à Assembleia e não haveria cadeira vaga para o suplente.

CPI dos Respiradores

Aliás, não há dúvidas de que o governador Rui Costa (PT) não permitiria a posse de um oposicionista na cadeira de um governista na Assembleia Legislativa, caso tivesse instrumentos legais e políticos para agir, como de fato tem. Afinal, a oposição está insistindo na coleta das 21 assinaturas mínimas para pedir uma CPI visando investigar desvios na compra de respiradores, durante a pandemia, pelo Consórcio Nordeste, mirando no petista. Se Reinaldo Braga fosse para a oposição, faltaria à minoria convencer apenas mais dois parlamentares, de um total de 63, o que não seria uma tarefa impossível às vésperas do período eleitoral.

O silêncio dos liberais

Apesar dos dois governistas na Assembleia Legislativa, o comando do PL da Bahia segue apalavrado com ACM Neto (DEM) para as eleições de 2022. Entretanto, a ordem agora é não falar sobre o apoio ao democrata, ao menos até esta quarta-feira (17), quando acontece, em Brasília, uma reunião da cúpula nacional com os diretórios estaduais da sigla. O objetivo é não dar mais motivos para que o presidente Jair Bolsonaro desista de se filiar à legenda. Para os liberais baianos que querem Bolsonaro, o presidente não encontraria partido melhor. “Aqui só tem um cacique, que é o Valdemar Costa Neto, enquanto no PP, por exemplo, tem vários. Aqui é mais fácil para Bolsonaro ter um maior grau de poder”, disse um liberal à coluna.

João Roma e ACM Neto (Foto: Divulgação)

Neto e Roma

Tem gente dentro do PL torcendo para que, caso o presidente Jair Bolsonaro se filie ao partido, ACM Neto (DEM) aceite fazer as pazes com o ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos). A ideia seria trabalhar para Roma disputar o Senado na chapa de Neto. Caberia, então, ao ministro garantir um palanque para o presidente Jair Bolsonaro na Bahia, mas sem o apoio explícito do ex-prefeito de Salvador, já que provavelmente o vice na chapa teria outro candidato ao Palácio do Planalto. Os sinais de fumaça lançados por ACM Neto em relação ao deputado federal licenciado Rodrigo Maia (sem partido-RJ), e vice-versa, reacenderam as esperanças de que o mesmo possa acontecer para com o ministro. Afinal, a briga com Maia foi mais feia publicamente.

Divulgação

Saia justa de Ciro

A Juventude Socialista (JS) do PDT da Bahia deixou o presidenciável do partido, Ciro Gomes, em uma saia justa. O ex-governador do Ceará comentou com “palminhas” uma postagem feita pelo grupo no Instagram em que anunciava mudanças no comando da JS em Salvador, sem saber que a transição não foi nada pacífica. Ex-presidente municipal do grupo, a pedetista Ana Rosa Mendes postou uma nota de repúdio alegando que foi traída e pega de surpresa com a mudança. “Dormi presidente e acordei destituída”, escreveu. Quem assumiu o posto foi a transexual Lavigne Rosa.

Otto e Rui

Apesar de o governador Rui Costa (PT) ter declarado que não será candidato a nada em 2022, um aliado de alta patente do petista disse não acreditar muito nessa promessa. “Aposto que a chapa será Otto Alencar (PSD) para governador e Rui para o Senado”, cravou. Na oposição, deputados também passaram a apostar que o governador vai ser candidato em 2022, diante dos avanços nas investigações da CPI dos Respiradores na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte e a segurança que um foro privilegiado pode render, embora esteja pacificado no Supremo que a prerrogativa só vale para crimes cometidos no mandato.

O dilema de Wagner

Prefeitos baianos que fizeram uma intensa mobilização pela aprovação da PEC dos Precatórios na Câmara escalaram o gestor de Camaçari, Antonio Elinaldo (DEM), para pressionar o senador Jaques Wagner (PT) a votar a favor da proposta. Os prefeitos consideram fundamental o parcelamento das dívidas previdenciárias dos municípios, incluída na PEC. O petista vive um dilema: não sabe se atende o governador Rui Costa (PT), que é contra a proposta, pois o texto adia o pagamento de precatórios devidos pela União à Bahia, ou se ajuda os municípios e fortalece a própria candidatura ao Palácio de Ondina.

Inauguração da nova sede do Colégio Estadual de Barra do Pojuca (Foto: Divulgação)

A trégua dos ex-prefeitos

Na passagem de Rui Costa (PT) por Camaçari para inaugurar nova sede do Colégio Estadual de Barra do Pojuca, na semana passada, chamou atenção a troca de afabilidades entre o secretário estadual de Relações Institucionais Luiz Caetano, e o vice-prefeito da cidade, José Tude (DEM). Quem acompanhou a conversa entre os dois, que já foram prefeitos do município, disse que o democrata quer o apoio do petista para um projeto. Resta esperar o desenrolar dessa conversa.

Quem é o pai da criança?

Se o narrador Sílvio Luiz estivesse acompanhando as eleições da OAB-BA não somente perguntaria “quem é o pai da criança”, ou melhor, quem foi o responsável pela reabertura do Tribunal de Justiça para os advogados a partir desta terça-feira (16), mas teria que pedir DNA para identificar a paternidade. Assim que o tribunal anunciou, lá foram os candidatos manifestar seu tal papel fundamental: Ana Patrícia Leão, atual vice-presidente da Ordem e candidata oposicionista, ressaltou que movera ação popular oito dias antes. No site da OAB-BA, entretanto, fala-se que o atual presidente Fabrício Casto (apoiador de Daniela Borges) cumpriu esse papel junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) há um mês. Então, só DNA para definir e apontar o “número do berço”.

16 de novembro de 2021, 15:15

Compartilhe: