sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Rapidinhas: O espião da Garibaldi, o antídoto de Coronel e a “flopada” de ACM Neto no Sudoeste

Foto: Pixabay

Davi Lemos

O espião

Ao menos dois prefeitos que eram aliados do governador Rui Costa (PT) e declararam apoio ao pré-candidato ACM Neto (União) ao Palácio de Ondina na semana passada receberam ligações da Governadoria logo após deixarem o escritório político do ex-prefeito da capital, que fica na Avenida Garibaldi. Um deles teria sido contatado pelo próprio governador. A equipe de Neto suspeita que há um espião plantado nas proximidades do prédio para informar quem entra e quem sai. O ex-prefeito vai intensificar os encontros com prefeitos na própria residência.

“Flopou”

O prefeito Quinho (PSD), de Belo Campo, um dos principais coordenadores da campanha de Jerônimo Rodrigues (PT) e Otto Alencar (PSD) no Sudoeste baiano, avalia que, embora ACM Neto tenha o apoio da chefe do Executivo de Vitória da Conquista, Sheila Lemos (União), o ex-prefeito de Salvador deve ter dificuldades para vencer nesse pedaço importante da Bahia. Os petistas concordam com o colega do PSD e, para eles, a prova disso é que a maioria dos eventos com Neto no Sudoeste “flopou”. “Flopar” é um termo atual para dizer que o público de um evento não foi o esperado.

Senador Angelo Coronel (Foto: Marcos Oliveira/ Agência Senado)

Antídoto para ausência

O PT confirmou a realização da convenção que vai lançar Jerônimo Rodrigues (PT) como candidato a governador no próximo sábado (30). A questão é saber se o senador Angelo Coronel (PSD), que teve o nome anunciado, vai comparecer. Pessoas próximas ao parlamentar dizem que ele tem uma justificativa para a ausência: quando disputou o Senado, em 2018, só estavam presentes na maioria dos atos o senador Jaques Wagner (PT), o governador Rui Costa (PT), o vice João Leão (PP) e o próprio. O senador Otto Alencar (PSD) não participava da maioria dos eventos.

Língua solta

Além de não ajudar, pelo visto o senador Ângelo Coronel também pode atrapalhar a campanha de Jerônimo Rodrigues. Na semana passada, em entrevista a uma rádio de Feira de Santana, o parlamentar afirmou que o pré-candidato petista “está engatinhando na política e não tem, ainda, traquejo necessário, apesar de ter melhorado um pouco”. Disse ainda que Jerônimo “não foi treinado para disputar cargo tão importante”. Enquanto isso, prefeitos do PSD, sigla de Coronel, seguem declarando apoio ao ex-prefeito de Salvador ACM Neto (União).

Vice silenciosa

Quem foi à convenção do PL da Bahia na sexta-feira (22) ficou surpreso com a escolha da candidata a vice na chapa do deputado federal João Roma: a médica Leonídia Umbelina, do PMB. Quem discursou como se fosse candidata foi a ex-vereadora de Salvador Lorena Brandão, que afirmou ter passado o bastão para a médica feirense, também evangélica. A escolha por Leonídia teve como pano de fundo a manutenção do PMB na chapa – Roma já havia perdido PRTB e PTB para ACM Neto. A candidata a vice não discursou na convenção do PL e também não foi ao Rio de Janeiro para o lançamento da candidatura à reeleição do presidente Jair Bolsonaro.

Empresário Ângelo Dourado e ACM Neto (Foto: Divulgação)

Último ato

E por falar em vice, ACM Neto começa esta semana a afunilar a definição do nome em aberto que resta na chapa majoritária. O ex-prefeito vai discutir com os aliados a pesquisa qualitativa que contratou para balizar a escolha. O PDT, que estaria em desvantagem na disputa com o Republicanos, espera que Neto anuncie o escolhido, ou a escolhida, na semana que vem, após a agenda na região de Irecê, onde prefeitos pedetistas e de várias outras legendas pretendem fazer, neste final de semana, um ato em apoio ao empresário Ângelo Dourado, filiado ao partido de Ciro Gomes.

Pai da criança

O governador Rui Costa divulgou em suas redes sociais nesta segunda-feira (25) mais uma peça focada no eleitorado de Salvador. Desta vez, afirma ser o maior responsável pelas intervenções para a contenção de encostas na cidade, com investimentos de R$ 300 milhões. Em inserções anteriores, o governador também assumiu a paternidade de outras obras, a exemplo do metrô e de importantes avenidas, como a Gal Costa e a 29 de Março.

Eventos numerados

Após a decisão do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), proferida na semana passada, que não identificou irregularidade eleitoral no fato de ACM Neto utilizar o 44 (número do União Brasil) nos eventos de pré-campanha, o clima de “liberou geral” tomou conta dos demais concorrentes. Neste final de semana, Jerônimo Rodrigues (PT) utilizou largamente o 13. O governador Rui Costa (PT) também, chegando a fazer referência à decisão judicial. A avaliação é que antecipar o uso do número 44 foi estratégia da campanha de ACM Neto para compensar a perda do tradicional 25, que era do DEM e do PFL.

Pela culatra

O pré-candidato do União Brasil a governador, ACM Neto, deve ser o alvo principal dos ataques tanto de Jerônimo Rodrigues (PT) quanto de João Roma (PL) no debate que será realizado pelo TV Band Bahia no dia 7 de agosto. Isso pelo fato de liderar as pesquisas. Para os aliados de Neto, no entanto, isso pode ser uma vantagem. “Ele é bom de debate e costuma crescer ainda mais quando é pressionado. Ou seja, pode ser um tiro pela culatra”, disse à coluna um dos integrantes da equipe de comunicação do ex-prefeito.

Crime político?

Bolsonaristas na Bahia querem investigação sobre a execução de Marcello Leite Fernandes, de 39 anos, na última quinta-feira (21), em Ibotirama. Entendem que se tratou de crime político pelo fato de Fernandes ser apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL). Um outro grupo de bolsonaristas, inclusive de Ibotirama, diz que é precipitada a alegação de motivação política para o homicídio.

25 de julho de 2022, 16:09

Compartilhe: