sábado, 22 de janeiro de 2022

Rapidinhas: O jingle de Leão, a ponte de Jonga e a “meia” culpa do senador

Foto: Reprodução/Instagram @joaoleaooficial

Davi Lemos

Vocês se lembrem de mim!

Não foi somente o jingle reformulado da campanha do ex-governador ACM para o lançamento da pré-candidatura de ACM Neto (DEM) ao governo, na quinta-feira (2), em Salvador, que “coçou” a memória de aliados e adversários. No dia seguinte, durante a inauguração da ponte entre Barra e Xique-Xique, uma fala do vice-governador João Leão (PP) ao senador Jaques Wagner e ao governador Rui Costa (PT) saiu parecendo uma outra releitura do clássico de Walter Queiroz: “não sou de abandonar o barco, agora não pode esquecer de mim”. Foi um claríssimo recado: “vocês se lembrem de mim”. Fora isso, foi só amor: Leão, que quer ser candidato ao governo em 2022, lembrou até da época em que foi coroinha na região, talvez pela presença de Dom Cappio, bispo de Barra que é considerado um “santo vivo” pelos fiéis da diocese.

Jonga em cima da ponte

Chamou a atenção a presença do deputado federal Jonga Bacelar (PL) durante a inauguração da ponte entre Barra e Xique-Xique. Após o ingresso do presidente Jair Bolsonaro no PL, o nome do parlamentar, que é um dos líderes do governo federal no Congresso, foi inclusive cogitado para o lugar de José Carlos Araújo à frente do comando estadual da legenda. A explicação de Jonga para estar na agenda de Rui Costa é fenomenal. “O mandato de 2018 ainda não acabou”. Se o PL apoiou Rui em 2018, logo justifica a presença dele no evento. Está em cima do muro ou, literalmente, da ponte.

Bivar quer Neto 2026

No Centro de Convenções de Salvador, o presidente nacional do PSL e futuro presidente do União Brasil, Luciano Bivar (PE), já se antecipou no lançamento da pré-candidatura à Presidência da República de ACM Neto em 2026. Neto nem ganhou as eleições para o governo baiano, mas Bivar já projeta a possível futura administração do ex-prefeito de Salvador como trampolim. Mas Bivar, que queria (e ainda quer) Sérgio Moro (Podemos) no União, almeja também ser o candidato a vice-presidente na chapa do pré-candidato do Podemos.

Ex-secretária de Saúde de Porto Seguro, Raíssa Soares (Foto: Reprodução/Instagram)

Conversas com Raíssa

Pessoas próximas à ex-secretária de Saúde de Porto Seguro Raíssa Soares dizem que a bolsonarista vem sendo procurada por aliados do ex-prefeito de Salvador ACM Neto para que desista da candidatura ao Senado e tente uma vaga na Câmara dos Deputados em 2022. Segundo as fontes, Neto não quer que a bolsonarista seja uma concorrente. As conversas estariam sendo intermediadas pelo prefeito de Porto Seguro, Janio Natal (PL). Mas Raíssa, que quer ser senadora, teria dificuldades para viabilizar seu nome como candidata ao Senado até entre bolsonaristas, então o caminho para a disputa para a Câmara estaria liberado.

O ex-bolsonarista de Jequié?

O ex-candidato a prefeito de Jequié James Meira começou a ser fritado nas rodas bolsonaristas após ter publicado em sua conta no Instagram uma foto ao lado do deputado federal Antonio Brito (PSD), que é da base de Rui Costa. Meira foi o único candidato a prefeito na Bahia que, em 2020, defendeu abertamente as bandeiras do presidente da República. Sobre Antônio Brito, ele escreveu que é “um dos maiores líderes políticos de Jequié e da Bahia, com destacada atuação parlamentar na liderança do PSD na Câmara dos Deputados”. Mesmo após a fritura, Meira foi a Vitória da Conquista participar do III Fórum Conservador, com a presença do ministro João Roma (Cidadania) e outras lideranças conservadoras baianas.

Cheia da grana

Quem se deu bem com o lançamento da pré-candidatura de ACM Neto ao governo da Bahia foi a empresa Estapar, responsável pela cobrança de estacionamento durante o evento. Milhares de pessoas presentes ao ato, que aconteceu no Centro de Convenções de Salvador, na orla da Boca do Rio, foram, inclusive, surpreendidas com a cobrança de até R$20 para estacionar. Para os desavisados, a empresa colocou até cobradores com maquininhas de débito nas saídas.

Faltou baiana

Políticos e jornalistas notaram uma certa contradição entre a homenagem feita ao velho ACM durante o lançamento da pré-candidatura de ACM Neto ao governo da Bahia e a ausência, no Centro de Convenções de Salvador, de baianas, fitinhas do Senhor do Bonfim e água de cheiro. Quem acompanhava o “cabeça branca” sabia que nos eventos dele não podia faltar nada disso. Vacilo dos organizadores!

Deputado federal Félix Mendonça Jr. (Foto: Lúcio Bernardo Jr/Câmara dos Deputados)

Efeito reverso

A deputada federal Bia Kicis (PSL-SP) criticou o projeto de lei apresentado pelo deputado baiano Félix Mendonça Júnior (PDT) que exige o comprovante de vacinação para as pessoas votarem nas eleições de 2022, caso o país ainda viva uma pandemia. Ela escreveu “inacreditável”, e postou o print de uma das notícias sobre o projeto, que ganhou repercussão nacional. Depois da divulgação da parlamentar paulista, o número de seguidores de Félix cresceu, bem como as mensagens de apoio à proposta e com críticas aos negacionistas.

A “meia culpa” de Contarato

O senador Fabiano Contarato (Rede/ES) fez uma declaração engraçada durante a sabatina do agora ministro eleito do STF, André Mendonça. Ao falar das injustiças, das discriminações contra homossexuais, mulheres e negros, o parlamentar sugeriu: “que façamos uma meia culpa ou ela inteira”. Contarato talvez não soubesse que o termo latino “mea culpa” significa “minha culpa” e é ela que embasa a expressão “fazer ‘mea culpa'”. O senador, ao citar Salvador como cidade com 85% de pretos e pardos, disse que a capital baiana nunca elegeu um prefeito preto ou pardo. Precisam falar de Edvaldo Brito para Contarato: claro que o jurista foi nomeado prefeito pelo governador Roberto Santos após eleição indireta feita pela Alba. Mas foi prefeito entre 1978 e 1979 e vice-prefeito, agora eleito nas urnas, entre 2009 e 2013.

07 de dezembro de 2021, 16:19

Compartilhe: