segunda-feira, 27 de junho de 2022

Rapidinhas: O possível apoio de Coronel a Neto, a peregrinação do vice e a recepção bolsonarista a Lula e Ciro no 2 de Julho

Foto: Divulgação

Davi Lemos

Coronel com ACM Neto

Apoiador importante do senador Ângelo Coronel (PSD) aposta que o parlamentar vai declarar o voto em ACM Neto (União), pré-candidato a governador, até o final da campanha. Isso só não teria ocorrido ainda em função dos laços de amizade e lealdade que o parlamentar tem com o senador Otto Alencar (PSD) e por conta dos cargos que possui no governo Rui Costa (PT). Desde o lançamento da pré-candidatura de Jerônimo Rodrigues (PT) a governador, Coronel nunca participou de qualquer evento ou mesmo sinalizou apoio ao petista.

Promessas ao filho

Enquanto isso, aliados de ACM Neto confiantes na vitória em 2022 avisaram ao deputado estadual Diego Coronel (PSD), filho do senador Ângelo Coronel e pré-candidato a uma cadeira na Câmara Federal, que o pai, caso mude de lado, terá a vaga garantida para concorrer à reeleição em 2026 ao lado do futuro governador, além de manter benesses no governo. Diego não tem criado obstáculos para a adesão de prefeitos do PSD que votam com ele a Neto. O último foi o de Ponto Novo, Thiago Gilleno.

Recepção indigesta

Grupos bolsonaristas elaboram táticas para infernizar a vida do ex-presidente Lula (PT) e do ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) durante o desfile do 2 de Julho, em Salvador. Os dois presidenciáveis confirmaram presença no ato. O objetivo dos apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) é produzir conteúdos que possam viralizar na internet e redes sociais e virar notícia na imprensa. O alvo principal será Lula. Bolsonaristas prometem levar até bonecos gigantes com a imagem do petista com roupa de presidiário, além de cartazes que façam referência à Lava Jato e ao mensalão. Em relação a Ciro, diz uma das mensagens, vale até pisar no pé para irritar.

Motociata

Os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro também organizam, para o dia 2 de Julho, uma motociata em Salvador, a segunda consecutiva nos festejos da independência da Bahia. A concentração será às 9h, no Dique do Tororó, com encerramento na orla da Boca do Rio. Pré-candidato dos bolsonaristas a governador, o deputado federal e ex-ministro João Roma (PL) ainda não decidiu se vai participar do desfile ou da motociata. O presidente foi convidado, mas não confirmou presença. Ano passado, Bolsonaro e Roma não participaram.

Efeito Lula

A vinda de Lula para os festejos do 2 de julho faz cair por terra, na visão de governistas ouvidos por esta coluna, a hipótese de que o PT nacional daria prioridade a um acordo com o ex-prefeito de Salvador e pré-candidato do União Brasil ao governo estadual, ACM Neto, para evitar que o presidenciável petista perdesse votos na Bahia. Segundo os petistas ouvidos, é fundamental para o PT nacional garantir a vitória e o comando no quarto colégio eleitoral do país. “A Bahia para o PT é como São Paulo para PSDB; é indispensável manter o governo, como uma âncora para o partido”, disse um petista.

Foto: Reprodução

Peregrinação do vice

Radialista em Monte Santo, Jota Neto lançou no ar uma sugestão inusitada para ajudar ACM Neto a definir o vice na chapa: quem chegar primeiro na última das 25 capelas da Serra da Santa Cruz, ponto tradicional de peregrinação do sertão baiano e nordestino que fica no município, leva a vaga. O desafio foi lançado ao deputado federal Marcelo Nilo (Republicanos), ao ex-prefeito de Feira de Santana José Ronaldo de Carvalho (União), ao empresário de Irecê Ângelo Dourado (PDT), à vereadora de Serrinha Edylene Ferreira (Republicanos) e à vereadora de Salvador Cris Correia (PSDB). A subida, bastante irregular, é de 4km.

Deputado Jonga Bacelar (Foto: Antonio Augusto / Câmara dos Deputados)

Patrol da discórdia

Depois de acusar o prefeito de Brumado, Eduardo Vasconcelos (PL), de “roubar” as emendas dos parlamentares por não dar o devido crédito a quem é de direito, o deputado Jonga Bacelar (PL) partiu para o ataque contra um outro gestor municipal, o de Uruçuca, Moacyr Leite (União Brasil). Em defesa da irmã, o parlamentar disse que Leite abandonou o apoio à pré-candidatura de Kátia Bacelar (PL) a deputada estadual “por causa de uma patrol de R$600 mil”, quando já havia destinado R$14 milhões ao município em recursos federais. O prefeito então veio à público e garantiu que Jonga Bacelar só fez prometer e emendou: “Não procede a falácia e mentira deslavada”. Procurado pela coluna, o deputado não se manifestou.

Ex-prefeito irritado

ACM Neto ficou extremamente irritado com a estratégia adotada pelo governo Rui Costa de investir maciçamente na propaganda das ações do estado em Salvador, tanto nas mídias tradicionais quanto na internet. A publicidade diz que quem mudou Salvador foi a gestão petista, e não a do ex-prefeito que permaneceu oito anos à frente da capital. A estratégia petista é clara: tentar reduzir larga vantagem que Neto tem nas pesquisas na capital.

ICMS sobre combustíveis

O governador Rui Costa pediu à Procuradoria Geral do Estado (PGE) que estude medidas judiciais contra o projeto aprovado no Congresso Nacional que reduz para 18% o valor da alíquota do ICMS cobrado na Bahia sobre combustíveis, energia e transporte público. Uma das alternativas é uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) após o texto virar lei. O governador estima que a Bahia pode perder quase R$5 bilhões este ano em arrecadação. A alíquota do ICMS sobre a gasolina no estado, por exemplo, chega a 27%. Já sobre o diesel não haverá perda, pois a alíquota é de 12%, segundo o Instituto dos Auditores Fiscais do estado, que é contrário à proposta.

Cacá Leão (Foto: Ascom/Cacá Leão)

Verossímil ou oportunista?

O PP baiano mudou a estratégia inicial adotada para as inserções partidárias veiculados na TV. A ideia inicial era fazer uma propaganda mais propositiva, sem críticas ao governo do estado, afinal o rompimento foi recente. Tudo mudou, no entanto, após uma reavaliação política. Diante da necessidade de alavancar a pré-candidatura do deputado federal Cacá Leão ao Senado, os pepistas decidiram fazer críticas duras à gestão petista. Resta saber se, para o eleitor, não irá soar como oportunista.

Vitório lá

Há pouco menos de quatro meses para as eleições, já se discute no governo baiano que acompanharia o governador Rui Costa caso ele assuma o Ministério da Fazenda em um eventual novo governo Lula. Dizem que Manoel Vitório é um nome certo para acompanhar Rui na Esplanada dos Ministérios, uma vez que ele esteve ao lado dele em 100% das crises e é alguém completamente blindado das pressões políticas rotineiras do governo. Diferente de qualquer outro secretário, Vitório só responde a Rui.

20 de junho de 2022, 16:28

Compartilhe: