sábado, 22 de janeiro de 2022

Rapidinhas: Os cargos de Nilo, a vaga do PP e elas também querem a vice

Foto: Divulgação/Câmara dos Deputados

Davi Lemos

Cargos eternos de Nilo

Mesmo mantendo abertamente conversações com o ex-prefeito de Salvador ACM Neto (DEM), pré-candidato ao Palácio de Ondina, o deputado federal Marcelo Nilo (PSB) segue com aliados empregados no governo Rui Costa (PT) em cargos de confiança. Alguns desses indicados estão no governo desde que o parlamentar era presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, função que ocupou por longos 10 anos consecutivos. Entre os nomes está, no primeiro escalão, o secretário de Administração Penitenciária e Ressocialização, Nestor Neto. Isso sem falar em inúmeros cargos de segundo e terceiro escalões e em empresas públicas, a exemplo da Embasa.

Aliados preferenciais

Com tantos cargos no governo petista, muita gente no meio político duvida que Marcelo Nilo esteja disposto a romper com o PT. Vale lembrar que não é a primeira vez que o deputado expõe o desejo de participar de uma chapa majoritária ou mesmo ameaça ir para a oposição. Em 2018, ele reclamou do tratamento recebido do governador Rui Costa, que, segundo Nilo, prestigia demais o PSD e o PP e esquece dos demais aliados. Na época, declarou que, desse jeito, é melhor virar oposicionista.

Despedida?

Aliás, aliados governistas de Marcelo Nilo avaliam que o sonho dele de disputar o Senado em 2022 pode se converter numa “honrosa despedida da política”. Isso porque, avaliam, ele seria presa fácil para Otto Alencar (PSD), que deve disputar a reeleição na chapa do senador Jaques Wagner (PT), postulante ao governo da Bahia. Nem a força de ACM Neto, acreditam esses aliados, seria capaz de mudar esse cenário. Uma derrota representaria uma despedida de Nilo da política.

Deputada estadual Jusmari Oliveira (Foto: ALBA)

Elas também querem a vice

Com tanta especulação no tabuleiro da política, o que mais aparece é candidato a vice-governador na chapa de ACM Neto (DEM). Mas, nos últimos dias, as especulações sobre uma vice mulher cresceram. Um novo nome cogitado é o da deputada estadual Jusmari Oliveira (PSD), representante da região oeste. Embora esteja em um partido da base governista, Jusmari já foi carlista e o marido dela, Oziel Oliveira, ex-prefeito de Luís Eduardo Magalhães, deve concorrer a uma cadeira na Câmara Federal por um partido oposicionista. Na Região Metropolitana de Salvador (RMS), um grupo de aliados a Neto propôs para vice o nome da deputada federal e primeira-dama de Simões Filho, Kátia Oliveira (MDB).

A vaga do PP

Após o ex-presidente Lula afirmar que não abrirá mão da candidatura do PT ao governo da Bahia – a informação foi publicada na coluna de Guilherme Amado, do site Metrópoles, no sábado (8) – ficou claro para o PP baiano que a saída para continuar no grupo será mesmo indicar o vice na chapa de Jaques Wagner. João Leão continua a tensionar, mas, dizem alguns progressistas, a corda já esgarçou. Agora, é escolher o sucessor do Bonitão, já que o Galego aparentemente garantiu a cabeça de chapa. O PP trabalha com nomes como o do presidente da UPB, Zé Cocá, os deputados estaduais Nitinho e Nelson Leal (licenciado) e o ex-deputado estadual Roberto Muniz.

Lobby por Moro

A deputada federal Dayanne Pimentel (PSL) acredita que o União Brasil, partido que vai surgir da fusão da sigla da parlamentar baiana com o DEM, deve apoiar a candidatura presidencial do ex-juiz Sérgio Moro (Podemos). Ela trabalha, inclusive, nesse sentido. Segundo especulações da imprensa do sul do país, o prazo para essa definição é abril. “Existe sim diálogos neste sentido. Desacredito de que Moro e União Brasil irão caminhar em lados opostos”, disse a deputada à coluna. Caso haja uma aliança, o vice do ex-juiz pode ser o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM).

Postagem feita por Capitão Alden no Instagram (Foto: Reprodução)

O pitaco de Prisco

O deputado estadual Capitão Alden (PSL) foi às redes sociais e já apresentou aquela que seria a chapa bolsonarista para disputar o governo e Senado em 2022: o ministro da Cidadania João Roma (Republicanos) na cabeça, tendo ao lado a médica e defensora do tratamento precoce contra a Covid Raíssa Soares. Alden aproveitou a oportunidade para se lançar candidato a deputado federal. Um dos que responderam à postagem foi o deputado estadual Soldado Prisco (PSC), candidato à reeleição: “Com certeza, estadual é soldado Prisco”. Até o início da tarde desta segunda (10), a postagem havia recebido 10,5 mil curtidas.

Foi o líder

Por falar em chapa, os vereadores de Salvador começam 2022 tendo que resolver um problema gigante com as lideranças que são contratadas em seus gabinetes. No final de 2021, o presidente de Casa, Geraldo Júnior (MDB), aprovou um abono de R$ 920, o que frustrou quem esperava pelo menos a repetição do ano anterior, quando foram pagos R$ 6 mil. A estratégia dos vereadores é dizer que nada sabiam e culpar o “líder”, como é chamado o emedebista. As “forças ocultas”, em ano eleitoral, estão tirando corpo fora do problema.

Lavoura

Em nome da defesa da lavoura cacaueira baiana, o deputado federal Félix Mendonça Júnior (PDT) e a deputada estadual Talita Oliveira (PSL) se uniram para reivindicar ao governo federal o perdão das dívidas dos cacuicultores do sul da Bahia em função dos prejuízos econômicos provocados pelas fortes chuvas na região. Os dois fizeram a solicitação na semana passada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. “Essa é uma causa suprapartidária”, disse Félix.

10 de janeiro de 2022, 16:29

Compartilhe: