terça-feira, 7 de dezembro de 2021

Bahia terá ao menos cinco primeiras-damas candidatas nas eleições proporcionais

Foto: Montagem Toda Bahia/ Fotos do Instagram

Thyara Araujo

A figura da primeira-dama meramente “decorativa” há muito que ficou no passado. E elas agora não se contentam apenas em assumir funções institucionais relacionadas a ações sociais, pois os cargos eletivos são o limite. Na Bahia, pelo menos cinco primeiras-damas devem ser candidatas em 2022 e, por isso, as articulações já estão a todo vapor com o apoio incondicional, e muitas vezes invejado, dos “maridões” prefeitos.

Ludmilla e Joaquim, o casal de Alagoinhas

Não é à toa que as quatro que irão tentar pela primeira vez uma cadeira no Legislativo são secretárias municipais nomeadas pelos maridos em setores estratégicos, seja na área assistencialista, de desenvolvimento econômico ou mesmo da saúde.

A primeira-dama de Barreiras, Marisete Bastor, está de olho na Câmara Federal. Pretendem disputar cadeiras na Assembleia Legislativa da Bahia Andrea Castro (Itabuna), Soane Galvão (Ilhéus) e Ludmilla Fiscina (Alagoinhas). A deputada estadual Kátia Oliveira (MDB), que também é esposa do prefeito de Simões Filho, Diogenes Tolentino Oliveira (MDB), mais conhecido como Dinha, vai tentar a reeleição.

Em Alagoinhas, a candidatura de Ludmilla Fiscina, que é filha do ex-prefeito do município João Fiscina, é turbinada pelo cargo de secretária municipal de Assistência Social. O lançamento do nome da primeira-dama foi feito pelo próprio marido, o prefeito Joaquim Neto (PSD), em julho passado, durante entrevista a uma rádio local.

Ludmilla, que se casou com Joaquim Neto em janeiro deste ano, quando já era secretária, terá como concorrentes para uma cadeira na Assembleia nomes de peso em Alagoinhas: o ex-prefeito Paulo Cezar (DEM) e o petista Radiovaldo Costa.

Obsessão pela vaga

Augusto Castro ao lado de Andrea

Primeira-dama de Itabuna, Andrea Castro também é secretária municipal na área assistencial (Promoção Social e Combate à Pobreza) e está em plena pré-campanha ao lado do marido, o prefeito Augusto Castro (PSD). O que se comenta no sul da Bahia é que eleger a esposa se tornou uma obsessão para o gestor, que já foi deputado estadual.

“Augusto é obcecado pela eleição de Andrea. Ele tá trabalhando feito um louco. Como ele tem uma base grande, a base que ele trouxe do tempo em que ele era deputado, ele manteve acesa a ação nessas bases. Agora, está se desdobrando entre início de governo e a pré-campanha de Andrea. Eu acho que isso prejudica um pouco o tempo dele”, comentou o analista político e marqueteiro Josias Miguel, que conhece bem a política no sul baiano.

O prefeito, que ainda procura um partido para a esposa, tem inclusive viajado ao lado da primeira-dama, mantendo encontros políticos com lideranças fora de Itabuna. Ao Toda Bahia, um político com forte atuação no sul do estado comentou sobre Andrea. “Ela já é secretária e é a mais forte do governo municipal. O marido dela tem um braço político muito forte e está trabalhando pela pré-candidatura dela com todo afinco”.

Na corrida por apoios, conforme já noticiado pelo Toda Bahia, o vice-prefeito de Itabuna, Enderson Guinho (DEM), pretende ser candidato a deputado federal ao lado de ACM Neto (DEM) e pode “dobrar” com a primeira-dama, que deve apoiar a candidatura a governador do Jaques Wagner (PT).

Projeto familiar de poder

Marcão quer Soane na Assembleia

Em Ilhéus, cidade vizinha a Itabuna, o prefeito Mário Alexandre (PSD), conhecido como Marão, também tem trabalhado para consolidar a pré-candidatura da esposa Soane Galvão a deputada estadual.

No último dia 13, a prefeitura de Ilhéus publicou o nome de Soane para o primeiro escalão da gestão, para a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação. Antes, ela era secretária de Desenvolvimento Social.

Um parlamentar adversário, que preferiu não ser identificado, disse ao Toda Bahia que Soane assumiu a nova pasta para potencializar sua pré-candidatura. “Sem dúvidas foi para isso. Ali existe um projeto familiar e não de gestão para Ilhéus. O prefeito se elegeu, tentou botar a mãe, mas ela perdeu. Agora, vem novamente com candidatura familiar e, usando a máquina pública, deu a Soane a secretaria que é a mais forte do governo”, criticou.

O Toda Bahia tentou entrevistar a primeira-dama e o prefeito de Ilhéus, mas não obteve retorno das assessorias até a publicação desta matéria.

ACM Neto lança candidata em Barreiras

Zito, ACM Neto e Marisete em Barreiras

Em Barreiras, maior município do oeste, o prefeito Zito Barbosa (DEM) planeja lançar a esposa, Marisete Bastos, que é secretária municipal de Saúde, a deputada estadual. Em visita no início de agosto a Barreiras, o ex-prefeito de Salvador ACM Neto (DEM) anunciou a pré-candidatura da primeira-dama, que foi prefeita de Brejolândia entre 1997 a 2000.

“Essa candidatura é na verdade um chamado, uma convocação, um convite nosso. Nós que estamos juntos pensando nesse nosso projeto para a Bahia e Marisete precisa nos ajudar nessa construção. Ela foi prefeita muito bem avaliada, desenvolveu um grande trabalho na Secretaria de Saúde de Barreiras no momento mais delicado da primeira gestão do prefeito Zito e tem uma enorme sensibilidade para com as questões sociais”, disse ACM Neto.

“Eu já tinha feito essa provocação desde o ano passado, quando conversei com Zito e com Marisete sobre a possibilidade de sua candidatura a deputada federal. Graças a Deus, depois desses meses de diálogo, de consulta a família e conversa com os amigos e lideranças do nosso grupo político, Marisete confirmou sua decisão pela pré-candidatura a deputada federal”, garantiu o democrata.

Ao Toda Bahia, a assessoria de Marisete afirmou que ainda é cedo para falar abertamente sobre uma candidatura, mas admitiu que o projeto está em andamento.

Postulante à reeleição

Kátia ao lado do prefeito Dinha

Em entrevista ao Toda Bahia, Kátia Oliveira, primeira-dama de Simões Filho, confirmou que será candidata a um novo mandato de deputada estadual e destacou o papel das mulheres na política.

“No meu planejamento, em diálogo com a população e com o grupo político que eu faço parte, me coloco como pré-candidata, porque meu desejo é colaborar ainda mais com o desenvolvimento econômico e social do nosso estado, através de ideias, projetos de lei e solicitações que possam melhorar a qualidade de vida do povo baiano”, disse.

Para Kátia, “a política está inserida dentro do contexto social e, durante muito tempo, por questões culturais – sobretudo devido ao machismo – foram construídas as teses que retiraram a mulher da vida pública, buscando nos confinar na vida privada, mais especificamente no cuidado com o lar e com os filhos”.

“Só para lembrar a realidade brasileira, nos últimos 100 anos conquistamos o direito ao voto, a ter uma conta individual no banco, ao divórcio e guarda dos filhos e ao trabalho. Nada disso era possível no passado. Acredito que nós mulheres, assim como os homens, temos muito a contribuir com a sociedade”, completou.

24 de setembro de 2021, 00:52

Compartilhe: